REJEIÇÃO NA ADOÇÃO

adotar é um caminho a ser percorrido que envolve muitos anseios, expectativas e se espera que aquela criança ou adolescente venha para a nova família totalmente preparada e aberta para ocupar o lugar de filho, mas pode ser que isso não aconteça tão rapidamente.

Principalmente quando houve vivências muito traumáticas de abandono, negligência e rejeição, a adaptação leva tempo e exige paciência e persistência por parte dos pais para lidar com os comportamentos “testes”.

Dependendo de como se dá essa relação, as crises de convivência pode ser tanto da parte do adotante quando do adotado.

Se os pais não conseguirem assimilar a criança, colocando-a na condição imaginária de filho, ela poderá ser sempre vista como coisa que não pertence a eles e que, por isso, pode ser rejeitada.

E também o contrário, quando a criança inconscientemente alimenta a fantasia de abandono e rejeição dos genitores e isso a faz sentir que pode não ser digna de receber afeto e dificultar o vínculo.

Rejeitar é não reconhecer, recusar o Outro, portanto diante de um sentimento tão forte como esse, é preciso refletir se ao decidir pela adoção, está depositando nesse “outro” altas expectativas as quais ele tem a obrigação de suprir.

 

Todo filho passa pelo processo de ser adotado, porque a filiação acontece gradativamente, não é automática.

Mas é preciso o mínimo de condição psíquica que permita isso já que filhos testam o amor dos pais em busca de confiança e assumir essa tarefa árdua requer energia e investimento afetivo constante.

No decorrer do processo de adoção você acredita que é importante investir na sua saúde emocional?  Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => http://caminhosdaadocao.com.br/curso-online-2/

Com carinho,
Tatiany Schiavinato
Psicóloga
Atendimentos presenciais e online.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *