OS PERIGOS DA ADOÇÃO “DIRETA”.

“Algumas pessoas para driblar a Lei da Adoção recorrem a uma prática ilegal, chamada adoção direta, na qual ocorre a entrega da crianças, geralmente por parte da genitora, envolvendo algumas vezes algum tipo de transação financeira.

Ou em vez de procurar a Vara de Infância e da Juventude e seguir um processo oficial de adoção, algumas pessoas, de levar a criança diretamente para casa apenas com a guarda provisória e, muitas vezes, sem nenhum tipo de documentação, e o pior sem nenhuma preparação.

Mesmo com as mudanças na lei, que proíbe essa ilegalidade, é possível encontrar grupos clandestinos negociando essa forma de “adoção” nas redes sociais.

Isso dá margem para que a criança, em vez de sujeito de direitos, passe a objeto de eventuais transações comerciais, o que até mesmo configura uma forma de “trafico humano’ e vai contra tudo que até hoje foi conquistado em termo de Direitos da Criança e do Adolescente.

Entende-se que a demora no processo cause grande angústia e ansiedade naqueles que anseiam e tornar-se pai e mãe, e talvez levados pelo “calor da emoção”, considerem essa proposta como talvez a única possibilidade de adiantar o “desejo” da paternidade/ maternidade.
Mas as consequências podem ser graves para todos os envolvidos, desde o arrependimento de quem “entrega a criança”, quanto da situação instável em que a criança é colocada e poderá ser fonte de conflitos futuramente”

E você conhece a Lei da Adoção? Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => http://caminhosdaadocao.com.br/curso-online-2/

Com carinho,
Tatiany Schiavinato
Psicóloga
Atendimentos presenciais e online.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *