ADOÇÃO COMO ESCOLHA.

 

Quase sempre, a vontade de adotar está relacionada a problemas de infertilidade. No entanto, algumas pessoas optam pela adoção, mesmo com condições de ter uma ou mais gestações. Há casos famosos como Angelina Jolie, Madonna entre outros…

Quais as motivações possíveis por trás dessa escolha? Não existe reposta pronta ou fórmula para essa questão, em geral decidir por tornar-se pai ou mãe pela adoção, é um contra-ponto ao que socialmente é esperado quando se biologicamente tem condições para ter um filho.
Entretanto, quando há convicção e maturidade para essa decisão, é porque um caminho já foi percorrido, de pesar os pós e contras e ter coragem para desafiar os preconceitos.
Ter a capacidade de amar além dos laços consanguíneos, requer uma dose de amadurecimento e perpassa o desejo narcísico de se ver representado por um ser gerado a partir da própria carga genética.
O fato de aspectos como gestação e nascimento não acontecerem de forma convencional, nada impede que sejam vividos de forma simbólica, o que inclusive prepara psicologicamente quem irá gestar pelo coração.
Ou seja, também haverá um tempo para aguardar a chegada da criança/ adolescente e incluir nele os preparativos e planejamento para o filho desejado.
Ser responsável por uma outra vida requer cuidados e disponibilidade para um aprendizado diário de construção de um elo entre pais e filhos.

Portanto se você que está lendo esse texto pensa em uma adoção consciente (ou conhece alguém que irá iniciar no processo), procure se informar e contar com um acompanhamento profissional para essa fase. Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => http://caminhosdaadocao.com.br/curso-online-2/

Com carinho,

Tatiany Schiavinato
Psicóloga
Atendimentos presenciais e online.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *