A ADOLESCÊNCIA

Bom dia ,como você esta?

O adolescer! Ah que fase complexa e rica, que inevitavelmente terá como características, além da mudança do corpo, a ebulição de hormônios, descobertas, curiosidades e o desabrochar de um “ser” dentro de outro SER.

É um ensaio para vida adulta, com direito a erros e acertos.

O adolescente, por trás daquela “casca dura”, que parece sempre estar na defensiva, pronto para retrucar, se opor ás ordens e imposições do meio social convencional, é muito sensível e que sente o tempo todo.

Sente-se pressionado a escolher, a ter uma postura madura, a ser responsável, sendo que ao mesmo tempo, sua cabeça ainda está confusa, inundada de idéias, sentimentos e sensações que ele ainda não sabe nem nomear.

 

COMPREENSÃO! Sim, essa é a palavra de ordem para lidar com eles. Compreendê-los no seu mau humor repentino, na sua insatisfação persistente, nos seus comportamentos ora infantis ora pedindo para ser “tratado como adulto”…Ao mesmo tempo que irão pedir liberdade, irão mostrar-se vulnerável e carentes.

Não é fácil, estar na pele de quem acabou de sair da infância, onde tudo era “mais fácil”, o choro era acolhido, as quedas amparadas e as vontades satisfeitas, para se deparar com um solidão existencial de tentar descobrir QUEM É, qual a sua identidade, diante da pressão de uma sociedade consumista, que cobra excelente desempenho no vestibular, na vida…resultados rápido, um corpo perfeito e uma mente “sã”.
Como sobreviver diante de tantas possibilidade de “ser feliz”, sem nem ao menos experimentar as frustrações que virão, as decepções amorosas, os fracassos a que todo ser humano está sujeito?

É preciso estar amparado e ser “suportado”.

Pois ao final de tudo isso, é como uma borboleta que surge linda, depois de passar pela diversas fases: um ovo, do qual eclode a lagarta, que busca proteção no seu casulo, para então desabrochar, cheia de cores, energia e vida para alçar novos voos.

Os pais, professores, tios e todos que cercam os adolescentes tem que ser o que é a natureza para ela, a borboleta: um ambiente facilitador, mesmo com suas adversidades.

Deve ouvi-los, acolhê-los e incentivá-los na sua própria descoberta e caminhada. Nunca impedi-los de trilhar seu próprio caminho na tentativa de protegê-los dos “tropeços”, mas sim estar presente quando tudo der errado e demostrar que o amor não está atrelado com desempenho, que você como adulto, não está na posição de juiz, para julgá-los mas sim como ponto de apoio e afeto.

E você já se imaginou como poderá lidar com o seu filho no fase da adolescência  ? Para se preparar melhor para adoção, assista o mini-curso Caminhos para uma adoção consciente => http://caminhosdaadocao.com.br/curso-online-2/

Com carinho,
Tatiany Schiavinato
Psicóloga
Atendimentos presenciais e online.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *